Posts

Você quer que a Internet promova o seu site?

Para se obter resultados significativos, para o seu negócio, ideia ou produto, não basta montar um site ou loja virtual e aguardar os acessos que podem gerar negócios. Todo um planejamento estratégico deve ser levado em consideração.  Para atingir os objetivos almejados vamos algumas recomendações.

Usabilidade

Usabilidade numa regra geral, significa facilidade no uso. Quanto maior for essa facilidade em os usuários atingirem os seus objetivos e com maior a rapidez (menor número de cliques) garantirá a satisfação e negócios poderão se concluir. Os sites hoje devem ser planejados visando a maior simplicidade possível, recursos pirotécnicos, introdução animadas ou mesmo sites todo em flash, que demoram para carregar afugentam usuários, principalmente, os mobiles. Não estamos condenando, veementemente, animações em flash, como banners, por exemplo, estes tem o seu papel, mas não devem impedir uma navegação agradável. O site não são construídos para o nosso deleite e, sim, realizarmos negócios.




Otimização

Também conhecido por SEO (Search Engine Optimization) que visa otimização para mecanismos de busca.

A otimização é um conjunto de técnicas que visão estruturar as informações sobre o seu negócio (relevância), objetivando um melhor posicionamento nos buscadores. Através de palavras-chave contidas no site (título, conteúdo das páginas etc.), que devem ser específicas sobre o seu negócio e constantemente atualizadas, onde, possíveis consumidores chegarão até seus negócios. Além de pensar nas palavras-chave a codificação do site também é muito importante, pois sites em flash, se você ainda tem um, não permite aos buscadores “ler” o conteúdo das páginas, portanto, não permitirão uma boa indexação.

Publicidade

A propaganda é a alma do negócio, além de incluir em toda a sua papelaria o endereço eletrônico do seu site existe também a publicidade on-line que tanto pode ser feito através de links patrocinados nos próprios sites de busca, como por exemplo o Google Adwords, UOL etc., como em mídia sociais através de trocas de banners, neste caso, que seja vinculado em sites ou mesmo comunidades ligadas ao tipo de negócios, pois, de outra forma a propaganda poderá não surtir os resultados esperados.

Redes Sociais

A febre das redes sociais (Facebook, Myspace, Twitter etc) tornaram essas, grandes ferramentas para alavancar negócios, onde especialistas acordam que o futuro dos negócios estarão ai baseados no uso dessas plataformas, por ser um canal de comunicação direta entre a empresa e seus clientes. O entendimento desse ambiente, com o seu dinamismo, como o público-alvo reage e interage e de vital importância para o posicionamento e uso.

Email Marketing

E a propaganda através do email. Pesquisas recentes indicam um alto nível de resultado, na ordem de 62%, onde entrevistados revelaram que realizaram compras a partir de um email com promoções. Para que esta ferramenta seja bem utilizada, é necessário definir os objetivos a alcançar e a estratégia sobre como utilizar diferentes formas de campanha, neste caso é sempre bom consultar um especialista no assunto, para não desenvolver uma campanha negativa para o negócio.

Concluindo, as dicas acima te ajudarão a alavancar o seu negócio, seja ele digital ou não, mas a compreensão ampla te ajudará muito mais, sendo assim, criamos o ebook “Aprenda a criar e se relacionar com o seu público” escrito de maneira clara, simples e direta para qualquer tipo de negócio digital.

Gostou do post? Comente, curta e Compartilhe.

Precisando de ajuda? Clique aqui e saiba como podemos te ajudar.

As Redes Sociais como Estratégia nas Empresas

Por Daniela Miranda de Oliveira Paludo

Neste artigo, são abordadas as relações entre as organizações, redes sociais, sociedade, informação, conhecimento, inovação e tecnologia. Para iniciar a explanação sobre as redes sociais, deve-se ter em mente que foi com a globalização, por exemplo, que a sociedade tornou-se definitivamente globalizada.

Como conseqüência disso, há uma contínua transformação dos processos organizacionais que estabelecem a necessidade de novas tecnologias, inovação no gerenciamento, ferramentas sociais que permitam rapidez e resultado na comunicação entre os envolvidos, entre outros. Ou seja, faz-se relevante a criação efetiva de procedimentos que auxiliem os administradores nesse desafio constante a promover desenvolvimento, divulgação, acessibilidade, transparência e facilidade na comunicação social.

Tomaél, Alcará e Chiara (2005), afirmam que as pessoas fazem parte da sociedade através das relações que instituem ao passar dos anos e, por isso, estão habituadas a esse formato de rede, pois sempre realizam, mesmo sem o uso da tecnologia, suas relações de trabalho, de estudo, de amizade etc. Portanto, as redes sociais surgiram para facilitar a interação desse processo, no momento em que esse tipo de ambiente destina-se para o compartilhamento de informação e construção do conhecimento gerando inovações para a esfera social e organizacional. Cabe salientar que, para um melhor entendimento sobre o assunto central desse artigo, faz-se imprescindível haver uma definição sobre as redes sociais.

Sendo assim, os autores Tomaél Alcará e Chiara (2005, p. 96) definem as redes sociais como “[…] ambientes que possibilitam a formação de grupos de interesses que interagem por meio de relacionamentos comuns”. Na era da informação, o conhecimento ocorre por meio dessa informação e são esses aspectos que mobilizam as redes sociais.




Para esses autores, as organizações estão utilizando as redes sociais como forma de inovação da comunicação social para promover um melhor contato/diálogo com os clientes internos como também os externos à empresa e, inclusive, originar estratégias de divulgação de marca, de produtos/serviços, entre outras possibilidades via rede social com o objetivo de sensibilizar o maior número de pessoas possível, já que muitos utilizam esse tipo de ferramenta para pesquisas.

Martes et al (2006) seguem nessa mesma linha de pensamento, pois afirmam que a competitividade existente no ambiente organizacional impulsionou e, de certa forma, obrigou as organizações a se posicionarem perante a esse cenário mercadológico que demanda uma estratégia organizacional eficaz e eficiente a fim de originar inovação, facilidade e acessibilidade na comunicação, informação necessária e geração de um diferencial competitivo para fidelização de clientes antigos e obtenção de nova clientela a fim de gerar lucros à organização.
Por fim, o objetivo do artigo é identificar de que forma as organizações estão se posicionando frente a essa nova forma de comunicação social, ou seja, perante as redes sociais no ambiente organizacional.

2. REFERENCIAL TEÓRICO

Nesse capítulo serão abordados os seguintes assuntos: redes sociais e estratégias organizacionais.

2.1. REDES SOCIAIS

A popularização da internet desencadeou um aumento na busca de informações no ambiente web e com isso as empresas verificaram a necessidade de adequar-se a essas tendências tecnológicas. Uma vez que o ambiente poderia ser uma ferramenta importante para divulgação empresarial e expansão de novos negócios (MIRANDA; BRITO; FAGUNDES, 2009).

Para Marteleto (2001), as redes sociais são como sistemas constituídos por elos e conexões e que são representados por indivíduos, grupos e empresas ligados pelo compartilhamento de idéias entre pessoas que possuem interesses e objetivos comuns.

Rede social também pode ser definida como um conjunto de relações interpessoais concretas que vinculam indivíduos a outros indivíduos (MIRANDA; BRITO; FAGUNDES, 2009 apud, BARNES, 1987).




As redes sociais por sua vez, têm como objetivos principais a interação e comunicação pessoal e tornam-se parte do processo de construção do conhecimento, e, sendo assim, as organizações passam a fornecer espaços de criação de conhecimento, que permitem a interação entre seus membros e o compartilhamento de informações (AZEVEDO; RODRIGUEZ; 2010). Por meio das redes sociais, as empresas podem investigar e explorar mercados, identificando oportunidades de negócios, melhorando relacionamento com os clientes, aprimorando a comunicação interna e externa e ainda criar a imagem e a reputação da marca usando a Web como suporte.

2.2. ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

A tecnologia da internet proporciona melhores oportunidades do que gerações anteriores da tecnologia da informação, desta forma, as organizações estabelecem posicionamentos estratégicos diferentes e de melhor posição competitiva.

A internet também proporciona melhor plataforma tecnológica à conquista de vantagem competitiva, não exige uma abordagem nova aos negócios, e sim que se adotem os princípios da estratégia eficaz.

Segundo Porter (1999), estratégia é desenvolver tarefas diferentes das exercidas pelos concorrentes, ou seja, ser diferente dos concorrentes, para obter vantagem competitiva. O desenvolvimento de uma estratégia competitiva é a fórmula sobre o modo pelo qual uma empresa deverá competir no mercado, determinando seus objetivos e as políticas necessárias para a implantação destes objetivos. Portanto, o que determina a sustentabilidade de uma empresa no mercado é a estratégia organizacional.

De acordo com Souza (2010):

As definições de estratégia dizem que a organização e o ambiente são inseparáveis. O que por um lado pode representar ameaças em suas atividades e por outro oferece oportunidades que devem ser aproveitadas. E é exatamente esta relação entre organização e o ambiente que oferece sentido ao conceito de estratégia. (SOUZA, 2010, p. 19).

As empresas estão atentas ao ambiente, para adaptar-se ao seu contexto organizacional, verificando a necessidade do uso de modelos organizacionais baseados na associação, compartilhamento e ajuda mútua.

Cruz et. al (2010), relata que o principal fator diferencial das redes sociais é a presença de um único objetivo, em que organizações e instituições que estabelecem uma rede social têm um objetivo principal definido, que serve de guia para a orientação das ações da rede, tornando modelos inovadores para ganhar competitividade no mundo globalizado.

As redes de colaboração interorganizacional são produtoras de valor estratégico, enfatizando a confiança, a negociação justa, e desta forma, proporcionando o aumento de atração de recursos das empresas e obtenção de lucros (Mello; Machado; Jesus, 2010).

As redes sociais são vistas como um meio de acessos e oportunidades, de poder e de influência, e servem para a organização como uma rede de tratados e acordos, sendo imprescindível à estratégia organizacional para a obtenção de resultados (SANTOS, 2007).

Devido à popularidade, ao custo baixo e facilidade de uso, algumas empresas utilizam a internet como estratégia para a penetração de mercado, para o desenvolvimento do comércio eletrônico e para melhorar o relacionamento com seus clientes, fornecedores e parceiros (SACCOL, 2010).

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Mediante a explanação dos autores pesquisados, é importante destacar que o uso das redes sociais, serve como forma de reunir pessoas e organizações em torno de metas e objetivos em comuns, promovendo a colaboração entre todos e permitindo alavancar negócios empresariais.

Devido a esta visão de mercado as redes sociais tornaram-se ferramentas indispensáveis para divulgação e consolidação da marca, o que de fato está diretamente ligada às novas estratégias organizacionais, uma vez que as organizações necessitam inovar com freqüência a forma de como atender mais clientes e como manter-los também.

Deve-se levar em consideração o ambiente que está inserido para que não exista nenhum tipo de conflito, de forma que esta ferramenta volte-se contra o objetivo principal e até mesmo contra o negocio organização.

REFERÊNCIAS 

CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 4, 2010, Rio de Janeiro. A criação do conhecimento nas redes sociais. Anais… Rio de Janeiro: CNEG, 2010.

Cruz et. al. Análise de redes sociais e organizacionais: um estudo temporal do caso da rede de catação e comércio de materiais recicláveis de Curitiba, 2008. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 251-286, mai-ago. 2010.

Marteleto, Regina Maria. Análise de Redes Sociais: Aplicação nos estudos de transferência da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, jan./abr. 2001.

MARTES, ANA CRISTINA BRAGA et al. Fórum – Redes sociais e interorganizacionais. Revista de administração de empresas, v. 46, n. 3, p. 10-15, jul./set. 2006.

Mello, Cristiane Marques de; Machado, Hilka Vier; Jesus, Marcos Junio Ferreira de. Considerações sobre a inovação em PMES: O papel das redes e do empreendedor. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 3, n.1, p. 41-57, jan./abr. 2010

PORTER, MICHAEL E. Vantagem competitiva: Estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

Tomaél, Maria Inês; Alcará, Adriana Rosecler; Chiara, Ivone Guerreiro Di. Das redes sociais à inovação. Ci. Inf., Brasília, v. 34, n. 2, p. 93-104, maio/ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2010.

SACCOL, Amarolinda I. Costa Zanela. Alinhamento estratégico da utilização da internet e do comércio eletrônico: os casos Magazine Luiza e Fleury. Rev. adm. contemp., Curitiba, v. 9, n. 2, Jun. 2005.

SANTOS, Luis Gabriel Abravanel dos. Rede intraorganizacional e práticas organizacionais. 2007. 190f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

SOUZA, Leandro Henrique de. Redes sociais como proposta para amplificar a criação do conhecimento em organizações inovadoras. 2010. 166f. Dissertação (Pós-Graduação em Ciência, Gestão e Tecnologia da Informação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

Gostou do post? Comente, curta e Compartilhe.

Precisando de ajuda? Clique aqui e saiba como podemos te ajudar.